dezembro 21, 2006

Presságios retrospectivos

A reflexão ambiental é nada mais que o presságio superabundante de um cataclismo no devir de algum tempo atrás e que se confunde mesmo com a lembrança de que se começou algum dia antes deste a assitir Lost, com o esquecimento repentino de que a poluição do rio dos Sinos é uma descoberta recente, que até pouco tempo gatos e cachorros e homens e macacos eram uns lá e outros cá, com o fato de que exobiogia não incluia fungos terrestres comedores de carne humana, com a idéia de que o tomar parte da defensoria pública não significava processualizar kafkianamente a aplicação das leis, que a destruição da amazônia não era um fato inevitável, comemorado a menor velocidade de desvastação inevitável, com o fato, pasmem!, de que líamos o mundo e não sabíamos que não sabíamos ler, bem como que a nossa alegria vã não tinha nada a ver com a festa quadrianual da campanha política – e que isso pareceça-nos hoje não ser algo terrível, é-nos, inescapavelmente, coisa pra lá de agourenta.


Nenhum comentário: